Total de visualizações de página

Seguidores

CURTIR_FACEBOOK

Follow by Email

Pesquisar este blog

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

ALÔ EDUCADOR! DINÂMICAS PARA O PRIMEIRO DIA DE AULA

Sugestões de dinâmicas para recepcionar e integrar 
a turma no 1º dia de aula

Com dinâmicas divertidas, você professor apresenta a escola aos alunos, aproxima colegas de classe e contribui para que todos se sintam acolhidos dentro do novo grupo. Primeiro dia de aula. A turma toda está na expectativa para saber quem serão os novos professores. Muitos alunos nunca se viram ou mal se conhecem. Para formar um grupo unido, bem relacionado e em sintonia com você, esqueça a velha tática de dar bom dia, fazer as apresentações e entrar no conteúdo. Confira a seguir as atividades de integração para diversos níveis de estudo.

PARA TURMA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

Como é meu colega 

Diga à classe que todos vão ganhar um “retrato”. Pregue na parede uma folha de papel Kraft da altura da criança. Posicione o aluno de modo que fique encostado na folha e, com um lápis, desenhe o contorno do corpo dele. Estimule a turma a dizer como é o cabelo, o rosto, se usa óculos etc. Durante a atividade, repita muitas vezes o nome do aluno, para que os colegas memorizem. Faça o “retrato” de todos. Por fim, peça a um colega que desenhe o seu contorno, repetindo o processo de observação, para que as crianças também se familiarizem com você. Pendure os desenhos na parede e elogie o grupo. Nos dias seguintes, logo na entrada, pergunte à classe quem é cada um dos colegas desenhados e se ele está presente. Se estiver, ganha uma salva de palmas. Deixe os papéis expostos por algum tempo. É importante para os pequeninos que suas produções permaneçam ali até eles se sentirem pertencentes ao grupo e ao ambiente. 



PARA TURMAS DO 1º AO 5º ANO

Quem é meu professor?

Organize uma entrevista para que os alunos conheçam você melhor. Divida-os em grupos e solicite que elaborem questões como se fossem repórteres. Diga que as perguntas podem ser sobre sua idade, se tem filhos, quanto tempo tem de profissão ou onde mora, por exemplo. Prontas as questões, sente-se num local da sala onde todos possam vê-lo bem para respondê-las. Avise que todos deverão trazer, no dia seguinte, um breve texto sobre tudo o que lembrarem. Assim, eles prestam atenção. Na próxima aula, sorteie algumas crianças para ler a produção escrita e peça que as demais avaliem e complementem se necessário. Proponha essa atividade depois de promover a apresentação e o reconhecimento do espaço físico da escola (a seguir).


PARA TURMAS DO 6º AO 9º ANO

O que vou aplaudir?

Organize os alunos em duplas e selecione temas para ser discutidos. Por exemplo: Brasil, reciclagem de lixo, internet, camisinha, desemprego, Sol, música. Escreva a lista no quadro-negro e em pedaços de papel, que são colocados num saquinho. Cada dupla sorteia um, vai até a lousa e diz se aplaude ou não o tema sorteado. Peça que cada um justifique sua opinião. Um deve complementar a fala do outro expressando tudo o que sabem sobre o assunto. Com essa atividade, você poderá avaliar o conhecimento do grupo, seu nível de expressão e argumentação e descobrir quais são seus interesses. Essas informações serão valiosas para o seu planejamento. 


As dinâmicas a seguir você pode adaptar com maior ou menor grau de dificuldade, de acordo com a faixa etária a ser aplicada:

I- ESCRAVOS DE JÓ
Formar um círculo – todos de pé cantarão a música escravos de Jô, porém ao invés de moverem algum objeto o movimento será feito com o próprio corpo.
Combinar antecipadamente que o movimento se dará através de pulos com os dois pés juntos iniciando para a direita.
Objetivo: o entrosamento para o sucesso das atividades.
Então ao cantar:

Escravos de Jó – pular para a direita

jogavam caxangá – pular para a direita
Tira – pular para a esquerda
põe, – pular para a direita
deixa ficar… – ficar parado
Guerreiros – pular para a direita
com guerreiros- pular para a direita
fazem zigue – pular para a direita
zigue – pular para a esquerda
zá – pular para a direita



II- Círculo Fechado

Objetivo: exclusão dos colegas
O Professor pede a dois ou três alunos que saiam da sala por alguns instantes.
Combinar com grupo que fica que eles devem formar um círculo apertado com os braços entrelaçados e não deixar de forma nenhuma os outros (que estão fora da sala) entrar neste círculo. 
Enquanto o grupo se arruma o Professor combina com os que estão fora que eles devem entrar na sala tentar se integrar ao grupo que está lá.
Depois de alguns minutos de tentativa, discutir com o grupo como se sentiram não deixando ou não conseguindo entrar no grupo. 
Muitas vezes formamos verdadeiras “panelas” e não deixamos outras pessoas entrar e se sentir bem no nosso meio.



III- Expectativas 

Objetivo: quebra-gelo
Material: bolas de inflar (bexiga), caneta permanente (tipo para retroprojetor). 
Iniciar com as boas vindas ao grupo
Distribuir as bolas e pedir que encham e fechem com um nó. Cada um deve escrever sobre a bola, com caneta para retroprojetor uma frase ou palavra que expresse suas expectativas sobre o novo ano
A medida em que acabam de escrever, levantam-se e brincam entre si com as bolas, sem deixar que estourem. Ao sinal, cada um pega uma das bolas, qualquer uma, e formam grupos de acordo com a cor da bexiga. O grupo lê o que está nos balões e conversa a respeito..
Pendurar os balões e deixar pendurado durante toda a semana


III-Garrafa dos elogios

Material: Uma garrafa vazia (pode ser de refrigerante). O grupo deve sentar formando um círculo.

O Professor coloca a garrafa deitada no chão no centro da sala e a faz girar rapidamente, quando ela parar estará apontando o gargalo para alguém. O Professor dirá uma palavra de boas vindas, estímulo ou elogio à essa pessoa.
A pessoa indicada pela garrafa terá então a tarefa de girá-la e falar para quem ela apontar e assim sucessivamente


IV-Grande Abraço

Coloque uma música de fundo e peça para que os alunos andem aleatoriamente. 

Sem seguida peça para que formem duplas e após pedir para que se abracem. Devem voltar a caminhar só que agora em duplas. Como próximo comando pedir para que as duplas se abracem formando grupos de quatro integrantes e assim sucessivamente até formar um grande abraço com toda a turma.


V-Espírito de Equipe
Objetivo: confiança que temos que ter no amigo, espírito de equipe e valorização de pessoas.

Pedir para o grupo de posicionar um de costas para o outro, ombro a ombro. Em seguida pedir para que cada dupla se abaixe até o chão sem colocar as mãos no chão. Alguns vão cair, outros vão conseguir.

Fechar falando da confiança que temos que ter no amigo, sobre o espírito de equipe e valorização das pessoas.


VI-Chega mais
Objetivo: O objetivo dessa dinâmica é a aproximação com as pessoas, conquistar confiança e principalmente o respeito.
Os alunos deverão andar soltos pela sala ou pátio ouvindo uma música. O Professor dará os comandos no momento em que pausar a música. Poderá iniciar pedindo que cada um cumprimente com um aperto de mãos o colega que estiver à sua frente. A música volta a tocar e ao pausá-la novamente poderá pedir que cumprimente o colega que está à sua frente dando tapinhas no ombro ou nas costas, e assim por diante até terminar em um forte abraço.



segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

ALÔ EDUCADOR: A ARTE DE PLANEJAR

Planejamento Anual -  essencial no início de um ano letivo

A programação serve para definir prioridades e objetivos. Nela, o educador deposita seu conhecimento. Planejar faz parte da essência do homem. Planejamos mesmo que mentalmente,  todas as ações do dia-a-dia. 

O planejamento e a escola do século XXI

 Em milhares de escolas espalhadas pelo país, professores sonham com um futuro melhor para seus alunos porque têm consciência de seu papel na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Mas pra isso é preciso ter nas escolas ação conjunta, estratégia, planejamento. Ainda no SEC XXI encontramos escolas com  ensino tradicional,  trata o aluno como mero receptor de informações, um ser passivo. Ao professor cabe o lugar de único detentor do saber.Porém o que se espera para  dias atuais é uma proposta educativa mais desafiadora  formando indivíduos mais autônomos e o planejamento é o instrumento que nos conduz a esse ideal, aonde o aluno passa a ser o centro do processo.
Na  escola do  século XXI  , o desejo de mudar é essencial e o professor  para atuar bem   precisa  seguir deve alguns princípios:

ü   Ser um guia para ajudar o estudante a explorar, reconstruir e situar-se no meio cultural onde vive;
ü   Criar situações que facilitem a aprendizagem de procedimentos que contribuam para a construção da autonomia pessoal;
ü   Oferecer métodos de organização para o trabalho que possibilitem a construção de uma disciplina pessoal mais rígida;
ü  Dar indicações de atitudes e responsabilidades que lancem as condições para o desenvolvimento do sentido de justiça;
ü   Apoiar  atitudes de companheirismo e solidariedade que estimulem o respeito mútuo. 

Esses princípios são excelentes pontos de partida para quem pretende começar uma transformação em sua escola, porque estão em sintonia com o que se espera da educação neste novo século que está começando. Mas isso não é tudo. Tão importante quanto é saber conduzir o ano letivo, é coordenar o dia-a-dia, garantir a execução das grandes metas.

O planejamento propriamente dito

Antes de mais nada, cada escola precisa determinar um ou mais objetivos.Seja ela na proposta tradicional e conteúdista ou mais atual e sócio-interacionista .O importante  é  atender a sua clientela .Bem como a forma como vai trabalhar a proposta pedagógica escolhida ( definir o Projeto Político Pedagógico). Essencial ter um bom planejamento inicial para definir objetivos. Daí para a frente, o desafio é implantá-los.Existem duas palavras-chave para que a mudança chegue a bom termo: autonomia e valorização. 

Autonomia é, segundo ela, a grande questão. A escola precisa exercê-la em sua plenitude ao definir um projeto e executá-lo. Para isso, precisa ter liberdade para escolher a melhor maneira de atuar. Tudo, é claro, dentro dos limites impostos pela própria aprendizagem. Se os alunos estão aprendendo, ótimo, o caminho é esse mesmo. 

Valorização
é uma ação fundamental para atrair (e manter motivados) os bons mestres. Alcançar essa meta, segundo ela, fica muito mais fácil quando toda a equipe está segura de que pode crescer intelectualmente quanto financeiramente no ambiente escolar
 quando sabe que, ao se capacitar e melhorar suas condições de trabalho, será melhor remunerada. 
 
Formalizar um plano anual de trabalho se torna, assim, apenas o primeiro passo. É inerente a função do professor planejar, pois  o processo é vivo, porque o conhecimento é vivo, está permanentemente em construção.

Dois pontos devem ser trabalhados à exaustão para garantir um planejamento de qualidade: 

Diagnóstico: professores, coordenação e direção analisam todas as intenções e ações desenvolvidas pela escola. Ele costuma ser feito em reuniões de avaliação no final do ano letivo anterior ou no começo do novo período escolar. Um diagnóstico preciso, baseado em informações seguras, é o que consegue identificar corretamente os problemas e é um grande  passo para solucioná-los. 

Ação: é o planejamento colocado em prática. Nenhuma experiência consegue ser bem-sucedida sem muitas reuniões. De preferência, semanais, para estabelecer consensos relativos ao uso e manutenção do espaço, do tempo, dos recursos financeiros e didáticos, além de discutir como implementar a interdisciplinaridade, a contextualização  a organização e a avaliação dos conteúdos. 

O trabalho em equipe 

Você está pronto para discutir o projeto pedagógico e participar de todas as reuniões de planejamento. Já percebeu como todas essas tarefas envolvem outras pessoas? Esse é o terceiro ponto fundamental da história. Ninguém vai a lugar nenhum sem um bom entrosamento entre professores, direção, coordenadores, funcionários e pais. Não há mais espaço, na escola que queremos construir no século XXI, para o educador egoísta, que não troca informações permanentemente com os colegas. Pode-se pensar em tudo juntos,  desde de  como organizar a sala, a acolhida no início do ano, os eventos culturais e até a forma de avaliar.

Com um bom planejamento, que deve ser simples e objetivo, as chances  de sucesso no ano letivo são muito maiores. O  educador-mediador amoroso transmite conhecimentos porque se importa genuinamente com os seus estudantes.Ele adapta seu ensino às necessidades a ao nível de compreensão deles .É sensível às habilidades e circunstâncias de seus estudantes.Estes discernem quando o professor tem esse amor , e o ensino e o aprendizado se tornam agradáveis.

Alguns lembretes sobre planejamento:

"Planejar o ano letivo pode ser tão interessante quanto planejar uma viagem."
"Mobilize a equipe, de forma a envolvê-la em todas as atividades de planejamento."
"Uma acolhida calorosa a funcionários e professores influenciará a recepção deles aos alunos"
"É melhor exercitar o diálogo nos dias de planejamento que ouvir discursos sobre a necessidade dos mesmo."
"A equipe deve ter bem claro o objetivo de seus esforços."
"Partindo do que a escola é agora, defina coletivamente como deverá ser seu futuro."
"Boas intenções não produzem consenso e cooperação. Boas estratégias, sim."
"Não espere unanimidade para deflagrar ações."
"Todos os funcionários, indistintamente, devem ser envolvidos na definição da missão da escola."
"Planejar é um processo que percorre o ano letivo do começo ao fim."
"O planejamento deve dizer respeito a ações concretas."

"Reflexão - verdadeira reflexão - produz ação." (Paulo Freire)


Valdete Silva
Pedagoga